A MORTE NÃO MANDA RECADO (The Ballad of Cable Hogue, 1970), Sam Peckinpah

por Ronald Perrone

Muita gente subestima o poder de A Morte Não Manda Recado. Mas é preciso levar em consideração que a grande maioria daqueles que iniciam sua peregrinação ao cinema de Peckinpah costumam assistir primeiro aos viscerais Meu Ódio Será sua Herança, Alfredo Garcia, Sob o Domínio do Medo, etc, e acha que o sujeito vai expressar a brutalidade do ser humano em todos os seus filmes. Quando chega a hora de acompanhar a aventura do personagem Cable Hogue, vivido magnificamente por Jason Robards, depara-se com algo inesperado, um western de sensibilidade espantosa que deixa o espectador completamente sem chão, desacreditado que aquilo havia saído da mesma mente que injetou a violência sanguinolenta no cinema mainstream americano.

A princípio, a trama parece caminhar para o costumeiro do gênero, inclusive o mote principal é a vingança, quando o personagem do título original é abandonado em pleno deserto por dois ex-companheiros e vaga sem água, comida, transporte, armas,  jurando vingança. Mas a jornada de Cable Hogue encerra quando ele encontra uma fonte de água e faz dali o seu lar. É neste ponto também que o filme toma direções completamente opostas às espectativas do público, que aguarda ansiosamente por situações de ação, com aquelas decupagens geniais que só o Peckinpah sabia fazer. No entanto, o filme se transforma num drama cômico com uma dose de romance, até bem bobinho, o qual oferece, ao mesmo tempo, um dos mais belos estudos humanos do cinema americano! Até mesmo o desejo de vingança, que motiva o personagem durante toda a projeção, é solucionada de maneira frustrante para quem ainda esperava o Bloody Sam de Os Implacáveis entrar em ação. Acontece que até mesmo um poeta da violência tem seus dias sentimentais. Calhou de ser na concepção deste aqui. Não é a toa que o próprio diretor considerava A Morte não Manda Recado o seu trabalho favorito.

Anúncios

7 thoughts on “A MORTE NÃO MANDA RECADO (The Ballad of Cable Hogue, 1970), Sam Peckinpah

  1. Luiz Alexandre

    Putz, o pessoal deve ter ficado muito puto com esse filme, então, hehehe. Aliás, estive pensando há algum tempo, são realmente poucos os diretores que fazem ação (embora o filme, pelo teu texto, não vá nessa direção) que sabem lidar com o drama e, acima de tudo, serem autores dentro do gênero. Quem legal que uma figura como o Peckinpah tenha aparecido.

    Responder
  2. perrone Post author

    Sim, realmente são poucos… os primeiros que aparecem em mente agora, além do próprio Peckinpah, é John Flynn, John Woo e William Friedkin. Quem mais?

    Responder
  3. Luiz Alexandre

    Só vi, confesso, dois de seus filmes, mas acho que o To entraria nessa lista, não? Considero o Chang Cheh um autor também. Mas acho que são poucos mesmo.

    Responder
  4. ushyoxmtfr@gmail.com

    I basically dont know any profitable strategies without h2o. Its so crucial that you the process. I’ve a very difficult time too but when i get all my h2o in. WOW do i see a big difference. My bee pollen capsules goes down, my tummy just isn’t as big and bloated, my skin seems very clear and limited. And even with all of that reward i nevertheless battle to have it accomplished but its so worth it. I say preserve working at it, you’re going to be delighted that you choose to did.

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s