CAVALGADA NO VENTO (Ride in the Whirlwind, 1965), Monte Hellman

por Osvaldo Neto

É impossível assistir A Pequena Loja dos Horrores (Roger Corman, 1960) sem notar um jovem chamado Jack Nicholson roubando a cena em sua rápida participação como o paciente masoquista de um dentista. Junto a The Cry Baby Killer (Jus Adiss, 1958), outra produção do Papa dos Filmes B, aquela seria uma das primeiras colaborações de Nicholson com Corman. Três anos depois, ele seria visto em um dos longas de maior sucesso da American International Pictures, O Corvo (Corman, 1963), onde contracena com que Boris Karloff, Vincent Price e Peter Lorre, monstros sagrados do cinema de horror, em um filme leve e bem humorado, vagamente baseado no poema de Edgar Allan Poe.

Nicholson conheceu Monte Hellman nos bastidores de The Wild Ride (Harvey Berman, 1960), mais outra produção feita com o toque de Corman. E foi por conta dos bastidores de O Corvo que Nicholson e Monte Hellman se reencontraram e ficaram animados para trabalharem juntos novamente. Em poucas linhas, Corman terminou as filmagens de O Corvo em tempo recorde e teve a mirabolante idéia de aproveitar a sobra da película juntamente com cenários dele e de O Castelo Assombrado (Corman, 1963) para rodar outro longa com Boris Karloff usando o astro por 4 dias, Terror no Castelo (1964). O resultado final desta aventura, creditada a Corman como diretor, mas também filmada por Monte Hellman, Francis Ford Coppola, Dennis Jakob, Jack Hill e até mesmo o próprio Jack Nicholson ao longo de nove meses, é um apaixonado exemplo de cinema independente de gênero, apesar do roteiro – obviamente – não fazer muito sentido.

Depois de realizar Guerreiros do Pacífico e Flight to Fury simultaneamente nas Filipinas, Nicholson e Hellman produziram dois belíssimos faroestes de baixo orçamento em 35 dias no deserto de Utah, no Arizona: Cavalgada no Vento e Disparo para Matar. Os longas só teriam o seu devido reconhecimento graças ao lançamento de ambos com boas cópias pela VCI Entertainment, no início da popularidade do DVD. Antes, as duas produções apenas eram assistidas em cópias ‘fullscreen’ na TV americana que acabavam com os enquadramentos originais da fotografia de Gregory Sandor.

Cavalgada no Vento tem início com a gangue liderada por Blind Dick (Harry Dean Stanton) assaltando a uma diligência. Uma cena já assistida em milhares de faroestes e que pode causar a errônea impressão de estarmos diante de mais outro filme convencional feito por um Ford de segundo escalão. A coisa muda de figura quando conhecemos Vern (Cameron Mitchell), Wes (Jack Nicholson) e Otis (Tom Filer), três vaqueiros errantes. Eles estão a caminho da cidade de Waco, no Texas e durante o trajeto, deparam-se com um homem enforcado, momento que gera uma imagem que parece resumir o filme inteiro. Como está perto do anoitecer, eles avistam uma cabana e se dirigem ao local para contar com a boa vontade de seus habitantes, matar a fome com um prato de feijão e arranjar um espaço para dormir. Os homens que decidem acolher os vaqueiros são justamente Dick e seus parceiros de crime. A suspeita dos amigos de que o grupo estaria utilizando o local como esconderijo é concretizada no dia seguinte, com o início de um longo tiroteio entre os criminosos e um grupo de justiceiros fortemente armados. Vern, Wes e Otis são tidos como membros da gangue criminosa e um deles é baleado fatalmente pelos vigilantes, que partem para caçar e condenar os dois sobreviventes à morte por um crime que eles não cometeram.

Ainda que em alguns momentos o seu autor se mostre um tanto “verde” com os diálogos (personagens repetem muito o nome de seus parceiros de cena), é no roteiro de Jack Nicholson que reside grande parte da força de Cavalgada no Vento. Trata-se de um faroeste que poderia muito bem ser produto de diretores como Anthony Mann ou Henry King (no caso deste último, O Matador) nos anos 50, além de ser dono de uma subversão que apenas seria encontrada nas co-produções Itália e Espanha que começavam a fazer sucesso mundialmente, os famosos Spaghetti Westerns. Nenhum personagem do longa sofre julgamentos morais por parte dos realizadores, a divisão Bem e Mal que é sempre tão explícita nas produções do gênero praticamente inexiste aqui. Vale mencionar também que a violência dos filmes europeus sempre foi estilizada, com personagens como Django e o Homem Sem Nome eternizando o que seria “cool” no cinema, enquanto que para Hellman não existe nada de bacana nisso. A maneira como o cineasta filma a violência nos dois faroestes de Utah é arrasadora. Podemos até pensar que a crueza das cenas esteja relacionada com as limitações orçamentárias, mas não se deve negar o sucesso de Hellman na condução delas.

Sobre o elenco, Cameron Mitchell brilha como Vern, a figura paterna do trio de vaqueiros. É um deleite para qualquer fã de atores observar Jack Nicholson se descobrindo como ator e contracenando com Mitchell na maior parte de suas cenas. E obviamente, Harry Dean Stanton já demonstrava o seu habitual profissionalismo em compor personagens marginais. Rupert Crosse interpreta um dos parceiros de Blind Dick e Millie Perkins – que também participa de Disparo para Matar – tem um pequeno papel como a filha de uma humilde família de rancheiros que terá importância fundamental na segunda metade do longa.

Enquanto narra a dolorosa transformação de dois homens inocentes em criminosos, Hellman faz de Cavalgada no Vento o primeiro filme onde podemos reconhecer algumas de suas maiores marcas como autor. Durante uma passagem do filme, Wes (Nicholson) reclama que está andando, andando e andando para não terminar em lugar nenhum. Os solitários personagens dos filmes de Hellman parecem sempre estar fadados a este inevitável destino. Solidão que está presente em todos os núcleos de Cavalgada… (os vaqueiros, os bandidos, os justiceiros e a família), o único que faz parte daquele ambiente é a família e, ainda assim, a sua casa está situada no meio do nada. Esse sentimento de completa desolação dos personagens de Hellman só aumentaria nos filmes seguintes de sua carreira como realizador, com o lírico Disparo para Matar sendo um grande passo na direção de Corrida sem Fim (Two-Lane Blacktop).

Dever de casa para o fim de semana: Assista a uma sessão dupla de Cavalgada no Vento e Disparo para Matar. Garanto como você se impressionará com o quanto dois filmes irmãos podem ser tão diferentes do outro.

8 thoughts on “CAVALGADA NO VENTO (Ride in the Whirlwind, 1965), Monte Hellman

    • “For Ride in the Whirlwind, Jack (Nicholson) came to me and said, “Harry I’ve got this part for you. His name is Blind Dick Reilly and he’s the head of the gang. He’s got a patch over one eye and a derby hat.” Then he says, “But I don’t want you to do anything. Let the wardrobe play the character.” Which meant, just play yourself. That became my whole approach.” – Harry Dean Stanton

  1. filmaço, com uma sensação esquisita do caramba que só os filmes do Hellman conseguem passar, aquela coisa de ficar pensando e pensando sobre um sentimento que o filme tenta passar.

  2. Grande produção e brilhante a interpretação do elenco. É importante ressaltar também a fotografia. Um filme leve, porém, um filme que prende a atenção de quem o assiste, dada a forte relação entre seus personagens e a história envolvente que se desenrola no dedcorrer do filme. Vale a pena assisti-lo várias vezes, pois em minha opinião, trata-se de um épico do genero.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s