GALO DE BRIGA (Cockfighter, 1974), Monte Hellman

por Cesar Alcázar

O genial diretor Monte Hellman e o não menos fantástico ator Warren Oates realizaram quatro filmes juntos. Embora pouco assistidos em seu tempo (The Shooting – 1967 – sequer foi exibido no circuito comercial americano), hoje eles possuem uma legião de admiradores que se encarregaram de imortalizar a obra desta dupla lendária. Hellman foi um dos poucos diretores a enxergar Oates como um herói, oferecendo a ele grandes papéis. Cockfighter, de 1974, é provavelmente o seu trabalho mais conhecido, ao lado de Corrida sem fim (Two-Lane Blacktop – 1971).

Em Cockfighter, Oates interpreta Frank Mansfield, um treinador de galos de briga. Ele é tão explosivo e violento quanto os animais que treina. Mas esta sua impulsividade o faz entrar em uma aposta contra Jack Burke (Stanton). Resultado: seu melhor galo é morto na noite anterior a disputa de “Galo de Briga do Ano”. Burke adverte Mansfield: “Você tem dois grandes problemas: você bebe demais e FALA demais!”. Devido ao seu comportamento obsessivo, Frank faz um voto de silêncio e mergulha em uma nova jornada rumo ao seu objetivo: ser o treinador de galos do ano. Mesmo que isto lhe custe todas as suas posses, sua família e a mulher que o ama (Patricia Pearcy).

Com produção de Roger Corman (que relançou o filme com o título mais “comercial”, Born to kill!) e belo trabalho de edição e trilha sonora, Cockfighter é um filme belíssimo. Warren Oates, mais uma vez, tem atuação inspirada, mesmo que seu personagem só tenha diálogos em duas cenas (sem contar algumas narrações em off)! A expressividade do ator é tão envolvente que fica impossível para o espectador não se identificar com o personagem.

As brigas de galo são apenas o pano de fundo para a jornada de Frank Mansfield, mas Hellman não deixa de explorar (e denunciar) a brutalidade do esporte. Algumas cenas são bastante sangrentas e revoltantes. O diretor inclusive, recusou-se a filmar algumas delas, deixando o serviço sujo para o editor Lewis Teague. Entretanto, o mais impressionante é a parte humana do “espetáculo”. Monte Hellman captura o frenesi homicida dos espectadores das lutas em toda sua selvageria, uma sede de sangue que contrasta com a frieza dos treinadores.

O DVD americano, lançado pela empresa Anchor Bay, contém um ótimo documentário sobre Warren Oates, um dos melhores atores de sua geração que infelizmente é pouco lembrado pela mídia. Cockfighter foi lançado em DVD no Brasil pela Platina Filmes com o título Galo de Briga, em uma edição simples, sem extras.

Anúncios

One thought on “GALO DE BRIGA (Cockfighter, 1974), Monte Hellman

  1. O cara pode não ter chamado a atenção de muitos diretores, mas quem precisa disso quando se está na turma de Monte Hellman e Sam Peckimpah?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s