THE WARRIORS – OS SELVAGENS DA NOITE (1979)

Por Caio de Freitas Paes

Um encontro da maior parte das gangues de Nova York; um líder carismático o suficiente para conseguir uma trégua entre rivais; uma promessa de revolução – a tomada da cidade. Quando tudo parece pronto para que a história seja reescrita, um tiro cala o messiânico Cyrus e a trégua é desfeita. Esse é o início da jornada no terceiro filme de Walter Hill: THE WARRIORS – OS SELVAGENS DA NOITE.

fuga

A trama privilegia um ritmo pegado e ágil justamente por sua crueza: em pouco menos de 15 minutos já se entende que toda a promessa de revolução punk serve como disparador para uma maratona contra a morte, um mergulho na face sombria da cidade. Tudo e todos são rivais, e aos Warriors caberá passar por todo tipo de provação para saírem vivos do sonho que se torna pesadelo.

É importante atentar que a própria introdução também já sintetiza a força do filme. Uma montagem dinâmica e intensa, o uso sagaz da trilha sonora para conduzir nosso olhar por entre a odisseia da gangue de Coney Island – com destaque para a locutora da rádio fictícia, que faz o papel de narradora informal da trama -, os diferentes perfis de cada um dos membros: esses elementos prenunciam o desenrolar da obra.

Tudo isso, claro, ganha ainda mais vigor por meio do olhar esteticamente aguçado da dupla Walter Hill-Andrew Lazlo (o diretor de fotografia), que oferecem uma variedade rica de planos e formas de caracterizar as fugas, diálogos e brigas durante o filme. A alternância entre close-ups, tomadas panorâmicas, planos abertos e cenas gravadas com grua valorizam o filme, borrando as fronteiras cinematográficas para inventar/capturar uma Nova York sombria e ameaçadora. Para tal, a concepção do sem número de gangues rivais foi feita com esmero: os visuais, fisionomias e adereços moldam outra camada de imersão no universo da obra.

tumblr_mrtbtcwslf1qc3ni5o1_500

gangues-1gangues-2ajax-vs-furies-2

Mas o ritmo envolvente de THE WARRIORS não deriva apenas da roupagem do filme: a própria narrativa é muito certeira ao colocar os guerreiros de Coney à prova incessantemente. Ao longo do filme a trupe vai sentindo o fardo de fugir de toda uma cidade à medida que membros são pegos, ou até mesmo vitimados. A luta pela sobrevivência ganha consistência e cativa – além de ser simbolizada na própria travessia e também nos diferentes obstáculos/inimigos que atravessam o seu caminho. E justamente por essa rica combinação com uma roupagem de filme noturno, misturando ação com densidade, que o filme é um grandes clássicos de Hill.

Não à toa é referenciado em diversas outras películas do gênero – além de ter ramificado até em um (excelente) jogo para videogame, desenvolvido pela Rockstar e lançado na década passada. THE WARRIORS consegue envolver tanto pela estética estilizada concebida, quanto pelo ritmo e pelo carisma dos personagens principais – e por sua trajetória ao longo do filme. Com quase quarenta anos contados desde seu lançamento, a obra exala juventude e inventividade ainda hoje.

5-cleef

Anúncios

One thought on “THE WARRIORS – OS SELVAGENS DA NOITE (1979)

  1. Meu favorito do Hill principalmente pelo valor sentimental que tenho por ele.

    Terminei de ler a pouco tem o livro do Sol Yurick (na versão pela Darkside com um prefácio excelente escrito por ele) que deu origem ao filme. Bem mais pesado, realista e depressivo que o filme… Vi muito fã do filme decepcionado nos comentários da Amazon BR depois de ler o livro. Mas não deixa de ser interessante porque mesmo assim tem várias similaridades.

    Nesse vídeo tem uma analise sobre as diferenças:

    SPOILER

    Mas o final na praia é meio decepcionante. Todo mundo se arma só pro Luther tomar uma facada na mão e ficar chorando. Sem aquele showdown/duelo final que o filme merecia. Os Riffs fazendo o roda nos Rogues é bacana também, uma pitada até de humor negro até, mas preferia uma luta no estilo que Hill fez em Streets of Fire, por exemplo…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s