LUTADOR DE RUA (Hard Times, 1975)

por Ronald Perrone

Durante a grande depressão que assolou os Estados Unidos na década de 30, não estava fácil pra ninguém. Nem para o Charles Bronson.

Em LUTADOR DE RUA, Bronson interpreta Chaney, um sujeito aparentemente pacato que chega a New Orleans num vagão de trem, sem dinheiro, sem passado, em busca de trabalho. Mas todo o semblante sereno do homem confunde sua verdadeira essência, um intrínseco e necessário gosto por violência. Não demora muito Chaney encontra o que quer, o universo das lutas clandestinas. No local, o sujeito se aproxima de Speed (James Coburn), um empresário de lutadores, e lhe oferece para ser seu novo lutador.

hard-times2-e1332389461213

E assim temos LUTADOR DE RUA e o início da carreira de Walter Hill como diretor, o cara que realizou alguns dos filmes de ação mais notáveis em solo americano a partir da década de 70, como 48 HORAS, EXTREME PREJUDICE e INFERNO VERMELHO. Tá certo que aqui neste debut ele ainda não conseguia demonstrar todo seu potencial, mas já dava pra perceber o talento de Hill em certos aspectos. O resultado é bem sólido. Principalmente tendo Bronson e Coburn encabeçando o elenco, com uma química de encher os olhos. Os dois já haviam trabalhados juntos em SETE HOMENS E UM DESTINO e FUGA DO INFERNO, mas aqui a interação entre eles é bem mais forte. É interessante o jogo de contraste entre os dois personagens, um completa o outro nessa parceria, Coburn fazendo o falastrão incansável enquanto Bronson, bem, o Bronson simplesmente nasceu para o papel. Ele faz o seu habitual tipão calado e sisudo, mas que representa todo o estado de espírito de um período em crise. Vale destacar outros atores também como Strother Martin, que rouba a cena com seu viciado em ópio, e o grande Robert Tessier, como o principal oponente nos confrontos contra o Bronson.

960__hard_times_12_blu-ray__blu-ray_

Mas a alma de LUTADOR DE RUA é o confronto físico, é Bronson encarando brutamontes em sequências de trocação de socos. A maioria das cenas de luta são cuidadosamente elaboradas e montadas (pelo futuro diretor Roger Spottiswoode), mas ao mesmo tempo classudas e secas. E é incrível como Hill já tinha seu olhar autoral sobre o físico, sobre os corpos em ação e uma noção magistral de como filmar a encenação da peleja, enquadrar os oponentes, como usar os espaços, armazéns, docas e até uma gaiola de aço e transformar cada luta numa narrativa própria. O único ponto negativo é a facilidade com a qual Bronson vence seus adversários, com exceção da luta final com Tessier. Mas não chega a ser um problema no geral.

O que incomoda mais, na verdade, é o subplot romântico totalmente supérfluo entre Chaney e a prostituta Lucy, que é claramente inserido à trama para dar a esposa de Bronson, Jill Ireland, um papel, como na maioria de seus filmes na década de 1970. De todo modo, LUTADOR DE RUA é uma puta estreia de Hill, com truculência de sobra, grandes atuações de Bronson e Coburn e excelentes sequências de combate corporal e por isso ganha fácil uns quatro cleefs na cotação.

4-cleef

Advertisements

One thought on “LUTADOR DE RUA (Hard Times, 1975)

  1. No ano passado revi em Blu Ray com uma baita imagem e não hesito em afirmar que está no meu Top 5 do Hill. Têm algo bem poético na simplicidade do filme (o Bronson descendo no trem no início, a fotografia, os silêncios, a melancolia, etc …).

    Pode ser apenas impressão minha mas reparei também que diversos enquadramentos das cenas de lutas parecem ter sidos fontes de inspiração para o Nicolas Winding Refn no filme BRONSON (2008) …

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s